Mosteiro da Ressurreição

O Mosteiro da Ressurreição, pertencente à Ordem religiosa de São Bento que tem como carisma a busca de Deus e a vida contemplativa, está instalado numa área rural distante 20 quilômetros do centro de Ponta Grossa, na Colônia Eurídice, cujo acesso se dá pela Avenida Souza Naves. Sua criação se deve a nove monges de abadia (conjunto de monges que vivem sob a direção de um abade, uma espécie de bispo) que vieram de São Paulo para o município em 1981.

A fundação deveria ser no Sul do país, onde a vida monástica era quase desconhecida. O mosteiro, que seria dedicado à Ressurreição do Senhor, teve início no santuário mariano, ao lado do famoso Parque Estadual de Vila Velha. Esse terreno, antes pertencente ao Estado do Paraná, lhe foi cedido em comodato à Cúria diocesana

Desde a fundação, em 1981 até agosto de 1985, a comunidade viveu no santuário da Vila Velha, a 30 quilômetros da cidade. Em 1983 os monges compraram um terreno na Colônia Eurídice e, no ano seguinte, iniciou-se a construção do mosteiro no terreno atual, para onde a comunidade se mudou no ano seguinte. O mosteiro da Ressurreição foi elevado à abadia em agosto de 1997, tendo como seu primeiro abade Dom André Martins. Sua sede também abriga exemplares da arte sacra que fazem parte da arquitetura, como vitrais e afrescos com a simbologia voltada a passagens bíblicas, além dos sinos que avisam os momentos de oração.

Como o lema da ordem de São Bento é “oração e trabalho”, os monges, incluindo alguns padres, seguem os votos de ficar no mosteiro até sua morte, de descobrir seus defeitos e corrigi-los, e de obedecer ao abade e as regras do mosteiro. Levam uma vida de oração, disciplina, estudos, trabalho, dividindo o tempo entre meditações, tarefas domésticas e fabricação de produtos artesanais, como conservas, licores, peças em cerâmicas, pinturas em diversos materiais, além de paramentos litúrgicos, livros, fitas e ainda medalhas, crucifixos, vinhos, pães caseiros e também a fabricação de velas artesanais vendidas para paróquias de todo o país.

Os beneditinos também dedicam-se na produção de CD's de canto gregoriano. O décimo CD dos monges teve a participação de pessoas de fora da vida monástica, como os padres Fábio de Melo e Reginaldo Manzotti, e a cantora Fafá de Belém. Através da grande difusão do canto gregoriano, em 1994, o mosteiro tornou-se conhecido nacionalmente, devido a programas especiais e reportagens no Brasil e no exterior.

A comunidade do mosteiro da Ressurreição procura manter vivo o valor do trabalho como meio colaborador no processo de conversão dos monges, procurando manter o andamento da vida no lugar com o trabalho dos próprios irmãos. Esses trabalhos são divididos entre os diversos setores de serviços da casa, como lavanderia, rouparia, cozinha, padaria, licoraria, fábrica de velas, horta, pomar, criação de animais, alfaiataria, atelier de pintura, biblioteca, portaria e a hospedaria.

O monastério atende a inúmeros leigos e religiosos que, como visitantes ou hóspedes, buscam momentos de recolhimento, oração e direção espiritual, através da hospedaria que recebe turistas de todos os cantos do país em busca de tranquilidade em meio à natureza e ao silêncio da vida monástica, desde que previamente agendado.

 

Fonte: Portal Diocese de Ponta Grossa

            Prefeitura Municipal de Ponta Grossa

            Portal Abadia da Ressurreição

            Jornal Gazeta do Povo

            Programa de Qualificação Profissional e

            Social para o Setor Turístico de Ponta Grossa

Auto Posto MZBoom BalloonExtimplusChaveiro AliançaPorto BrazosGrupo AlertaXetá - Experiências ao Ar LivreGiva Peças e ServiçosÓtica PrismaZezoCarlos Cezar